13 de jul de 2012

FELIZ DIA MUNDIAL DO ROCK

Antes de qualquer coisa, FELIZ DIA MUNDIAL DO ROCK!!!


Hoje, dia 13 de julho, comemoramos essa data tão importante para todos os Headbangers do mundo. Se você é um Headbanger, provavelmente entende o motivo disso, e não me prolongarei nisso, pois esse post não é dedicado a vocês, ele é dedicado ao mundo não-Headbanger aí fora. Esse mundo totalmente midiático que vive pregando os Bangers como meliantes e idiotas que eles não são. O objetivo do post é justamente esse, tentar mostrar que os Headbangers não são como a mídia os retrata, além de serem, provavelmente, a parcela mais pacífica da população.

Antes de tentar definir o que é um Banger, tentarei explicar o que um Banger "não é". Caso você não saiba o que o termo "Headbanger" significa, toda vez que o ver nesse texto, substitua-o pelo termo "Metaleiro" (Apesar de ser um termo praticamente ofensivo para nós).

Esqueça o estereótipo. Headbangers, em sua maioria, não usam drogas ilícitas, não são violentos, e nem sujos ou burros. Essa última característica é a que menos se encontra entre os Headbangers. 99% dos Headbangers são adeptos da leitura (de bons livros, não dessa merda literária que tem circulado por aí ultimamente.), do ato de assistir filmes e de pesquisar sobre filosofia, sociologia, etc...

São poucos os Headbangers que são satânicos (sim, é inegável o fato de que eles existem, porém são pouquíssimos), e aqueles que o são, não o são do modo como você imagina, nunca beberam sangue humano ou coisa parecida. Arrisco até mesmo a dizer que MUITO provavelmente, o seu deus (se é que você tem algum) pode ser mais cruel e sanguinário do que o “deus” deles.

Religião e Heavy Metal PODEM sim caminhar lado a lado, pois o Headbanger tem a cabeça aberta e entende que a arte não deve ser depreciada somente porque você não concorda com as ideias do autor. Eu, por exemplo, sou Ateu convicto e ouço bandas como Sarcófago (satânica) e Theocracy (Cristã) e aprecio muito o modo como ambas as bandas promovem a sua arte.

Agora, vamos falar sobre como é um Headbanger. Um Headbanger, como já foi dito, possui a mente aberta, ao contrário do que muita gente pensa. Ele sabe que a música deve ser vista como uma arte e não apenas como um simples modo de diversão.  Sabe também que a música foi criada para expressar sentimentos por meio de sons, porque para alguns sentimentos, as palavras são simplesmente vazias.

Um Headbanger possui olhar crítico, pois a música o faz pensar sobre diversos assuntos, e não apenas sobre aquela balada de sábado à noite. Ele sabe que problemas socioambientais não surgiram no mundo por acaso e já nos acompanham há muito tempo. Headbangers sabem a importância da participação popular na política, e dificilmente desperdiçam um voto.

O Headbanger sabe que a vida é algo que não deve ser tomado por outras mãos vivas, e sabe que isso se aplica a todas as coisas viventes nesse mundo. Sabe também que você, que está lendo esse texto agora, é tão importante para esse planeta quanto o presidente dos EUA ou de qualquer outro país. E que aquela gaivota que viu voando semana passada é tão importante quanto vocês.

Headbangers sabem que a mulher é um ser sagrado que merece todo o respeito que lhe possa ser dado nesse planeta. Sabem que a vulgarização de um ser tão belo deveria ser um crime passível de morte. Ainda sobre a mulher, sabemos que fêmeas Headbangers são cada vez mais raras, e que devem ser preservadas.

Um Headbanger sabe que a violência não leva a nada, e ao contrário do que muita gente pensa, é sempre a favor da paz, em qualquer lugar que ela seja aplicável (isso não abrange uma Mosh Pit, o que não quer dizer que um Banger é desrespeitoso com outro dentro de uma). A música une todos os Headbangers, porque o Heavy Metal não é apenas um estilo musical, é um estilo de vida, e é por isso que um Headbanger está sempre disposto a ajudar outro, mesmo que tenham poucos minutos de convivência.

O Headbanger entende que a Mídia não é dona da verdade, e que o mundo seria um lugar melhor se ela não existisse. Mas também sabe reconhecer que o modo como o mundo evoluiu tornou a mídia indispensável, portanto, não adianta ficar se lamentando (o que não quer dizer que vamos parar de criticar).

Headbangers, em geral, são chamados de "doidos" por pessoas que possuem 10% da racionalidade de um ser humano normal, e ainda assim possuem hombridade suficiente para não fazerem frente a tal insulto, pois se o fizessem, seriam como eles.

Um Headbanger entende que existem outros estilos musicais além do Rock And Roll que merecem respeito. Grande parte dos amantes do Heavy Metal apreciam também Jazz, Blues e música clássica. Mas o Headbanger sabe também, que certas músicas não são inteiramente músicas, pois uma música é feita de poesia e melodia, e convenhamos que a maioria das coisas que circulam por aí atualmente não possuem nenhum dos dois.

Por fim, um Headbanger sabe até onde vai à verdade escrita neste post, e consegue avaliar o resto para saber se estou sendo sensato ou não. Aí está a grande diferença de um Headbanger para a grande maioria das pessoas. O Headbanger não se contenta com o que os outros falam, ele quer a sua própria verdade, e não pense você que ele nasceu assim, ele é assim, porque assim a música o fez.

Ser Headbanger, infelizmente, não é para qualquer um, pois o ser Headbanger não consiste em agir como um doido em qualquer ocasião, em ter piercings e tatuagens, e muito menos em suportar barulhos insuportáveis. O ser Headbanger consiste em compreender o quão vazias são as palavras, e saber que elas somente fazem algum sentido quando acompanhadas de acordes musicais. Mas enquanto a humanidade tiver preguiça de ter um pensamento filosófico e aceitar "poesias" totalmente vazias e sem sentimentos, os Headbangers serão minoria na sociedade.

Agora, depois de tudo, FELIZ DIA MUNDIAL DO ROCK novamente!!!


10 de jul de 2012

Dio - 70 Anos

Há exatos 70 anos nascia um dos maiores gênios da história do Heavy Metal, seu nome era Ronald James Padavona...

Nome Completo: Ronald James Padavona

Nome Artístico: Ronnie James Dio

Data de Nascimento: 10/07/1942

Data de Falecimento: 16/05/2010

Bandas Pelas Quais Passou: Dio
                                              Black Sabbath
                                              Heaven & Hell
                                              Elf
                                              Rainbow
                                              Vegas King

Outros Motivos Pelos Quais Ficou Conhecido:
Dio foi o criador dos Horns (mão chifrada), o símbolo maior do Heavy Metal mundial, que é utilizado até hoje por Headbangers (e pessoas que nem sabem o que é isso) em todo o mundo. 




Ronnie James Dio é uma lenda no cenário do Metal mundial, e, mesma que tenha morrido há 2 anos, ele sempre existirá no coração dos Headbangers. Sua obra é imortal e, sempre que alguém, em algum lugar do mundo exercer aquele tão famoso gesto, Dio será lembrado por seus fãs.

Abaixo, uma pequena playlist para vocês curtirem um pouco do trabalho dessa LENDA, que completaria hoje, seus 70 anos de idade.

Holy Diver by Ronnie James Dio on Grooveshark Gypsy by Dio on Grooveshark Rainbow In The Dark by Ronnie James Dio on Grooveshark Hungry For Heaven by Dio on Grooveshark Dream Evil by Dio on Grooveshark Don't Talk to Strangers by Dio on Grooveshark Bible Black by Heaven & Hell on Grooveshark Die Young by Black Sabbath on Grooveshark Children of the Sea by Black Sabbath on Grooveshark Heaven and Hell by Black Sabbath on Grooveshark


9 de jul de 2012



Hoje, estamos iniciando um novo tema de posts aqui no blog. Nesses post, escolheremos um ano, ao acaso, e citaremos a maioria dos lanaçamentos que aconteceram naquele ano.

O primeiro ano escolhido para nossa nova gama de posts é 1987. Bem, foi uma ano recheado de lançamentos e como em todos os outros anos, houveram bons trabalhos, trabalhos perfeitos, ruins e alguns que embora não sejam os melhores, merecem um certo destaque.

Organizaremos os álbuns por ordem alfabética por uma questão de estética e de localização, ao final de cada post, elaboraremos uma enquete com os álbuns que consideramos melhores e faremos a análise dos 2 discos que tiverem maior número de votos.

Enfim, a lista é a seguinte:

A Momentary Lapse of Reason (Pink Floyd)
Abigail (King Diamond)
Among The Living (Anthrax)
Appetite For Destruction (Guns N' Roses)
Back For The Attack (Dokken)
Big Generator (Yes)
Calm Before the Storm (Venom)
Crazy Nights (Kiss)
Deathcrush (EP) (Mayhem)
Document (R.E.M.)
Dream Evil (Dio)
Fighting the World (Manowar)
Floodland (The Sisters Of Mercy)
Girls, Girls, Girls (Mötley Crüe)
Hail! Hail! Rock 'n' Roll (Chuck Berry)
Halfway to Sanity (Ramones)
Hold Your Fire (Rush)
Hysteria (Def Leppard)
I'm The Man (EP) (Anthrax)
Introduce Yourself (Faith No More)
Keeper Of The Seven Keys Part 1 (Helloween)
Kick (INXS)
Live... In The Raw (Live) (W.A.S.P.)
Love Is For Suckers (Twisted Sister)
Nightfall (Candlemass)
Out & Intake (Compilação) (Hawkwind)
Persecution Mania (Sodom)
Pleasures of the Flesh (Exodus)
Priest...Live! (Live) (Judas Priest )
Primitive Cool (Mick Jagger (Solo))
Raise Your Fist and Yell (Alice Cooper)
Rock 'n' Roll (Motörhead)
Rock You To Hell (Grim Reaper)
Schizophrenia (Sepultura)
Scream Bloody Gore (Death)
Scum (Napalm Death)
Surfing With The Alien (Joe Satriani)
The Eternal Idol (Black Sabbath)
The House Of Blue Light (Deep Purple)
The Legacy (Testament)
The Ultra-Violence (Death Angel)
The Uplift Mofo Party Plan (Red Hot Chilli Peppers)
Tribute (Live) (Ozzy Osbourne & Rhandy Rhoads)
Under The Sign Of Black (Bathory)
Whitesnake (Whitesnake)

Todos esses álbuns que citamos acima foram muito importantes no cenário musical, mas mesmo dentre esses, existiram aqueles que se destacaram mais. Na opinião do Shit Anger, os álbuns que tiveram maior qualidade em 1987 foram os seguintes:

Appetite For Destruction
Under The Sign Of Black Mark
Surfing With The Alien
Scum
The Legacy
Among The Living
Abigail
Scream Bloody Gore
Persecution Mania
Keeper Of The Seven Keys Part 1
Schizophrenia
Dream Evil
Hold Your Fire
Rock 'n' Roll

E na sua opinião? qual o melhor álbum de estúdio de 1987? Opine na nossa enquete. Caso seu voto não seja para nenhum dos álbuns acima citados, vote na opção "outro" e deixe sua opnião nos comentários. Muito Obrigado!

2 de jul de 2012

Top 5 Álbuns de Punk Rock

Há tempos que não postamos um top 5 álbuns, então, pensamos que seria bom fazer um post do gênero. Pensamos muito para chegar a decisão que tomamos e, enfim, chegamos à isto:

5° - Against the Grain - Bad Religion


4° - Never Mind The Bollocks - Sex Pistols


3° - Brasil - Ratos de Porão


2° - Ramones - Ramones

1° - Static Age - The Misfits



Harakiri - Serj Tankian

Para os fãs de System Of A Down e Serj Tankian, ontem vazou na net o novo álbum solo do vocalista, "Harakiri", álbum que estava previsto para ser lançado no dia 10 desse mês. Felizmente, Serj foi rápido ao fazer o Stream do álbum.

Para quem quiser ouvir o trabalho, clique aqui.


Tracklist

  1. Cornucopia
  2. Figure It Out
  3. Ching Chime
  4. Butterfly
  5. Harakiri
  6. Occupied Tears
  7. Deafening Silence
  8. Uneducated Democracy
  9. Forget Me Knot
  10. Reality TV
  11. Weave On



Fontes:
Facebook oficial do SOAD: https://www.facebook.com/systemofadown
Serj Tankian Brasil: http://www.serjtankianbrasil.com

Serj Tankian Official: http://www.serjtankian.com/

25 de jun de 2012

BH Maiden Day

Como já foi citado ha algum tempo neste blog, o The Number Of The Beast completa 30 anos em 2012 e bem, o que isso tem a ver com o post de hoje? Simplesmente tudo. Estamos divulgando as datas do Maiden Day em BH, para os fãs da donzela na capital mineira. O Maiden Day em São Paulo foi no dia 21 de abril, e bem, achamos um pouco desnecessário divulgar porque estava rodando muito pela nternet, e quem é fã concerteza sabia, pois era um evento muito mais aberto.

Durante as apresentações haverão sorteio dos CDs executados pelas bandas. O tributo será no dia 1º de julho na tradicional casa cultural Matriz e conta com o apoio Mondo Metal, Iron Maiden Brasil e Trip Studio.


As bandas que tocarão no evento farão homenagens à melhor fase da Donzela, tocando musicas dos álbuns que vão entre The Number Of The Beast, até o Seventh Son Of A Seventh Son.

Dados do evento:

Data e Hora: 01/07 – 14 HORAS
Show com: Dinnamarque – FairKing – Silvercrow – Wrath Tears – Advice
Preço do ingresso: R$ 15
Censura: 14 anos
Local: Centro Cultural Matriz – Rua Guajajaras, 1535
Telefone para contato: (31) 3212-6122




Advice (Seventh Son of a Seventh Son)


Wrath Tears (Somewhere in Time)


Silvercrow (Powerslave)


FairKing (Piece of Mind)


Dinnamarque (The Number of the Beast)


Um dos donos desse blog vive em BH, e o outro mora no interior mineiro. Esperamos que o evento seja um sucesso, e que os Headbangers mineiros demostrem força e incentivo para essas bandas. Nos vemos em BH, dia 1º de julho!

20 de jun de 2012

Análise: Opus Eponymous (Ghost)

Hoje, faremos a análise de um dos maiores discos desse século. A banda Ghost foi fundada em 2008, em Estocolmo na Suécia. A banda utiliza de elementos teatrais para fazer apresentações aterrorizantes e assustadores, porém magníficas. O sexteto e formado por Papa Emeritus I (vocal), Nameless Ghoul e Nameless Ghoul (Guitarras), Nameless Ghoul (Baixo), Nameless Ghoul (Bateria) e Nameless Ghoul (Teclado). Não, isso não é brincadeira, o fato é que ninguém sabe quem são os integrantes do Ghost. O debut da banda saiu em 2010 e responde pelo nome de Opus Eponymous.

Deus Culpa = A introdução do álbum é um órgão sendo tocado de maneira calma, e serve para colocar o ouvinte no clima de culto, já que é pra isso que estamos aqui. E ela cumpre bem o seu papel.

Con Clavi Con Dio = O baixo logo no início desse música é de arrepiar. Aqui se percebe claramente a proposta do disco, que se apresenta com Riffs bem "retrôs", um vocal tranquilo e limpo e letras simplesmente perturbadoras. O clima de culto não se perde (nem aqui, nem em lugar nenhum do cd), e isso só torna as músicas ainda mais perturbadoras.

Ritual = Se as duas primeiras faixas servem para acostumar o ouvinte com a sonoridade da banda, aqui começamos a nos apaixonar com o disco. O refrão dessa música é simplesmente sensacional, e o teclado colocado nos momentos certos é garantia de arrepios.

Elizabeth = A falta de criatividade da bateria nessa faixa é compensada pela magnífica linha de baixo. Para muitos, essa música tem a letra mais bem escrita do álbum, o que é um grande elogio, já que todas as letras são boas. "Elizabeth" já se tornou um clássico moderno, e é uma verdadeira viagem no tempo.

Stand By Him = Os Riffs e o solo aqui apresentados não ganham muito destaque, pois ficam um pouco presos em meio ao vocal sensacional, à linha de baixo, e ao teclado (nos refrões). Refrão esse que é apaixonante, e que deve ficar simplesmente inacreditável quando tocado ao vivo.

Satan Prayer = Provavelmente a melhor canção do disco. "Satan Prayer" é uma música totalmente perturbadora, mas ao mesmo tempo extremamente acessível. Sabe a quanto tempo não víamos isso? Bem, eu nunca tinha visto antes. A música mescla o terror de sua letra com a beleza das composições, de modo que é impossível terminar de ouvi-la sem ficar com o refrão passando em sua cabeça.

Death Knell = Encontre um Headbanger que não conheça Ghost, faça ele ouvir os primeiros 21 segundos dessa música, ele falará que essa música é do Black Sabbath, duvida? Faça o teste. A semelhança é absurda! (no bom sentido obviamente) Mais uma vez o Ghoul responsável pela bateria estava sem criatividade, mas o seu irmão baixista o ajudou.

Prime Mover = A viagem pelos anos 70 não poderia ser completa sem alguns elementos psicodélicos, e os suecos sabiam disso. Com um Riff belíssimo, e com uma linha de baixo totalmente empolgante, essa faixa se desenvolve de uma maneira totalmente diferente das outras, sendo a música mais pesada do álbum, mas sem ser menos perturbadora ou apaixonante.

Genesis = Para finalizar o álbum, o início de tudo. Essa maravilhosa música instrumental é apenas uma pontinha da grandiosidade que esse álbum apresenta. Apesar de não contar com os maravilhosos vocais da Vossa Santidade, essa faixa é sem dúvidas, uma das melhores de todo o disco. Nela, é possível encontrar influências de tudo existente na década de 70, e ao final do disco, todo Headbanger estará se perguntando: "Mas já? Passou tão rápido."

O álbum é excepcional, agradando tanto os Headbangers mais tradicionais, quanto os Headbangers mais extremos (e talvez agrade até mesmo quem não é Headbanger...). O disco consegue ser ao mesmo tempo belo e repugnante, uma combinação que não é muito comum de se ver.

Opus Eponymous é uma verdadeira viagem no tempo que te leva de volta aos anos 70, e te faz lembrar que o Rock And Roll ainda está longe de morrer. Não recomendamos uma audição desse disco para ninguém, estamos recomendando logo umas 3 ou 4, pois a cada audição realizada, esse disco fica melhor. Enfim, se você é daqueles que acham que o verdadeiro Metal já se perdeu, nos faça um favor, cale a boca e ouça esse disco. Depois conversamos.

Nota Final = 9,5